web analytics

Gente de Sesimbra exibe novamente o seu egoísmo e mau carácter

Santiago, Sesimbra

Uma parte da população de Sesimbra voltou a exibir publicamente o seu egoísmo e mau carácter.
 
Num município com 195,47 km² de área e aproximadamente 49 500 habitantes, que está subdividido em 3 freguesias, centenas de habitantes e suas famílias, empregados da Autarquia e diversos beneficiários de habitações sociais, vão novamente deslocar-se às urnas, em uníssono, já no próximo dia 1 de Outubro, para reeleger a CDU e dar continuidade a uma política sectária local de destruição económica e de identidade, que foi implementada no Concelho em que residem.
 
Embora, no Município de Sesimbra, a CDU seja sempre derrotada pelo Partido Socialista nas eleições legislativas, nas eleições autárquicas os comunistas adoptaram uma estratégia de transformação social para cumprirem a sua agenda, a pouco e pouco, no Concelho, usando uma minoria e beneficiando-a.
 
De acordo com o Jornal O PÚBLICO, só na Freguesia de Santiago vivem 3 mil pessoas, e só na Câmara Municipal trabalham mil.
 
Forte de Santiago, Sesimbra
Enquanto a Rússia adopta uma estratégia geopolítica de influência cultural na Europa, querendo dominar país a país, pela via democrática e muito lentamente, Jerónimo de Sousa e Heloísa Apolónia pretendem fazer o mesmo em Portugal, distrito a distrito, nunca deixando de investir nos territórios ideológicos que o PCP domina e detém o poder.
 
Em Sesimbra, a influência cultural do PCP e a manipulação colectiva dos que são capazes de defender as maiores atrocidades para terem proveito em troca de um simples voto, consegue, por vezes, fazer até da mentira uma verdade e da verdade uma mentira, diante de um elevado número de abstencionistas, embriagados pelo cinismo dos meios de informação locais e famílias ao serviço da Autarquia.

Nas ultimas eleições autárquicas, a maioria da população não compareceu nas mesas de voto, adiando libertar-se e resgatar o próprio concelho das mãos de um partido mal-intencionado e subserviente a uma elite não-representativa da população.