web analytics

População e banhistas contra memorial de homenagem a estudantes falecidos na tragédia do Meco

mmc

Foi erguido e inaugurado em homenagem aos jovens estudantes que perderam a vida na tragédia do Meco, um memorial de mármore no areal. A cerimónia juntou mais de uma centena de pessoas, entre as quais, família e amigos das vítimas.

Augusto Pólvora (PCP), presidente da Câmara Municipal de Sesimbra, declarou que, o bloco de mármore em bruto de João Cutileiro, escultor e antigo militante do seu partido, seria uma “homenagem aos jovens que morreram mas também à perseverança dos pais e aos que, de todas as idades, o mar levou a vida”.
 
A maioria da população e comerciantes locais contestam e apontam as consequências que possam resultar, afirmando que, o memorial aos estudantes falecidos terá um impacto negativo na economia e turismo e que só irá intimidar ou afugentar as pessoas que frequentam a praia.
 
Os habitantes locais, sugerem que, a homenagem seja transferida para a Universidade Lusófona para sensibilizar os alunos que praticam praxes.
 
Foi criada uma petição pública que conta já com mais de mil assinaturas.
 
 
mommm
 

O que se comenta nas redes sociais?

 
«Com todo o respeito pelas vitimas do Meco, recuso-me a aceitar tal pedregulho na praia do Meco. O lugar é de todos nós, não têm o direito de o invadir… Muitas foram as vidas que o mar já levou, vidas essas de alguns que ganhavam o pão de cada dia, e outros que passavam horas de lazer, o que neste caso não foi nem um nem outro caso mas sim pessoas que se davam a práticas estranhas e pessoais. O Meco é de todos que querem desfrutar de merecido descanso e prazer, não somos obrigados a estar constantemente a levar com cortejos fúnebres.»
 
«Na Universidade era o local ideal para que com todo o simbolismo desta tragédia um dia se possa esclarecer tudo o que se passou. Nos tribunais ou olhos nos olhos.»
 
mcb
 
Os enormes blocos de mármore simbolizam a brutalidade da tragédia segundo João Cutileiro e ao que tudo indica, vieram para ficar na praia.
 
«O presidente sabe que já não se pode candidatar mais e agora faz o que lhe apetece no concelho. Se a CDU pensa que ao mudar as caras do partido nas próximas eleições, depois do que tem feito à nossa gente e ao concelho irá resolver as coisas, bem pode contar ainda com mais abstenção. A campanha eleitoral da CDU é uma fraude e estão longe de defender o povo e trabalhadores, como dizem descaradamente os deputados do PCP no parlamento por estarem na oposição. O Augusto Pólvora foi ajudado na vida e só voltou a Sesimbra para destruir a vida a todos nesta terra, já tinha sido os parquímetros e agora ainda mais esta. Comunismo nunca mais.» – conta em tom de desabafo João Silva à Sesimbra Cultural.
 
Augusto Pólvora, que cumpre o seu último mandato de executivo municipal, desvalorizou os protestos da população e dos banhistas da praia do Meco, referindo ainda que, estaria fora de questão a remoção da homenagem no areal, garantindo que foram pedidas as respectivas licenças e autorizações à Agência Portuguesa do Ambiente, ao ICNF e à Polícia Marítima.