web analytics

Ténis de Mesa – Sesimbrense chamado à Selecção portuguesa

Dinis Cunha

O Ténis de Mesa está enraizado na memória de muitas gerações sesimbrenses, sobretudo na das crianças da década de oitenta.
 
Sendo um dos desportos de eleição pelos jovens sesimbrenses dessa época, Sesimbra possuía vários Clubes por todo o concelho associados a organismos recreativos e a entidades culturais locais, com equipas masculinas e femininas.
 
As que mais se destacavam na integra, eram nomeadamente as equipas da Sociedade Musical Sesimbrense e Sociedade Recreio sesimbrense.
 
Era quase como um Benfica vs Porto quando se defrontavam, ambos os clubes eram rivais, tinham vários craques nos escalões mais jovens e foram muitos os que se destacaram e honraram Sesimbra em torneios distritais e Nacionais que participaram. Acreditamos que essa fora a época em que o Ténis de Mesa estava no auge em Sesimbra, pela quantidade de jovens do concelho envolvidos.
 
Em meados de 1988, quis o destino que um senhor de cabelo grisalho de nome  Eziquiel, chegasse à Sociedade Musical Sesimbrense, acompanhado de um menino de oito anos que queria aprender a jogar Ténis de Mesa. Esse menino chamava-se Dinis Cunha e era seu neto.
 
 
SMS
 
Em poucos meses, Dinis Cunha, tornou-se no melhor jogador do seu escalão em Sesimbra, e com apenas 10 anos, já possuía uma grande capacidade de concentração e execução, lutava sempre até ao último ponto e nunca se dava por vencido, mesmo estando com mais de 10 pontos de desvantagem.
 
Com a necessidade inadiável de renovar as suas instalações, a Sociedade Musical Sesimbrense, acabou por transferir todos os seus jogadores para a Sociedade Recreio Sesimbrense e Bombeiros Voluntários de Sesimbra.
 
Joaquim Carapinha, treinador do clube, fez de tudo para não se separar dos pupilos que lhe davam mais vitórias. Os sesimbrenses Pedro Selésio, Hugo Marques, Alexandre Ribeiro e Dinis Cunha, constituíram talvez a melhor equipa de cadetes de sempre que Sesimbra teve até hoje, representando os Bombeiros Voluntários da região.
 
“O Dinis era o mais novo de nós, mas sempre foi o mais inteligente a jogar, defrontá-lo em qualquer jogo oficial era uma dor de cabeça para qualquer um, ele ainda era iniciado e o treinador já lhe convocava para jogar na equipa de cadetes, era o melhor iniciado do distrito de Setúbal na altura e foi campeão distrital no seu escalão, representando ainda a selecção nacional nesse  ano”
 
“Nós passávamos o nosso tempo livre a jogar, o treinador chegou a castigar-nos por irmos para o salão dos bombeiros ao domingo à tarde sem a sua autorização para treinar. Haviam semanas que entravamos pela janela, porque trancavam a porta do salão” conta Alexandre Ribeiro,  antigo colega de equipa de Dinis Cunha.
 
O craque sesimbrense, também ganhou o seu primeiro torneio nacional ainda com a camisola dos Bombeiros de Sesimbra vestida e revelou à Sesimbra Cultural, ter sido esse o troféu que mais significado tem para si até hoje, não só por ter sido o primeiro a ser conquistado a nível nacional mas também por ter deixado nos registos o nome da sua terra.
 
Pouco tempo depois, o Ténis de Mesa ficou suspenso em Sesimbra, Dinis Cunha, acabou por migrar para a Madeira por motivos familiares, onde ingressou no S. Roque. Os restantes colegas de equipa de Dinis, desistiram porque não tinham onde jogar.
 
Dinis Cunha, foi campeão nacional individual por duas vezes e vice campeão nacional absoluto uma vez, tendo sido também campeão regional na Madeira em todos os escalões que jogou.
 
Depois da idade adulta, já em Sénior, foi campeão nacional por equipas, ganhou uma taça de Portugal, uma Supertaça ao serviço do S. Roque e ainda outra Taça de Portugal já com as cores do Clube Desportivo 1 Maio, também da Madeira.
 
 

Benfica

 
Tornou-se internacional ainda quando era Júnior, onde disputou vários torneios pela Europa, conseguindo alcançar a vitória por uma vez. Como Sénior. Já conquistou três títulos europeus de alta competição em Espanha (Cadiz, Ayamonte e Huelva) e actualmente conta com mais de 50 internacionalizações no Ténis de Mesa, representando a equipa principal do Benfica, tendo sido o elemento chave para o regresso dos encarnados à primeira divisão na modalidade.
 
O craque, vindo das escolas de Sesimbra e actual jogador do Benfica, foi este ano convocado para representar a Selecção portuguesa de Ténis de Mesa onde defrontará já na próxima Terça-feira várias selecções.